Elenco de The Royals fala sobre figurinos, moda e a vida da verdadeira realeza

A série de drama do E! ‘The Royals’ segue uma vida fictícia de uma família real britânica contemporânea morando em Londres e o elenco conta com Elizabeth Hurley como a Rainha Helena, que faz o possível para manter a imagem pública de sua família. Hurley é acompanhada por Joan Collins, Jake Maskall, William Moseley e Alexandra Park.

O WWD conversou com Hurley, criador Mark Schnwahn e a figurinista Rachel Walsh para falar sobre a moda do show, figurinos e a vida real da realeza.

WWD: Qual foi a inspiração de moda para cada personagem, e que designers vocês trabalharam?

Mark: O que é interessante é que nós temos uma família real, mas não a família real. Com Elizabeth, as pessoas estavam esperando uma biografia, eu acho, e quando você pensa na rainha, você pensa na Rainha. É incrível, mas um pouco diferente do estilo da nossa rainha. Então eu disse que teríamos que fazer o estilo de Elizabeth se destacar, e isso é um pouco diferente, mais provocativo.

Nós não queremos que seja vulgar, queremos que seja contemporâneo, porque seu personagem não se trata apenas da matriarca da família. Ela tem sua própria história, sua própria relevância, então por exemplo, Elizabeth prefere vestidos com caimento no joelho. São looks que pessoalmente ela prefere. Então eu disse, “Certo, vamos começar daí e trabalhar em cima disso.”

Rachel Walsh: Com a rainha, nós tentamos casar o contemporâneo com o elegante da estação. Tentamos usar designers como Roland Mouret, Victoria Beckham para criar uma elegância. Nós sempre usamos designers diferentes. Eu quero dizer, pode ser pela costura, o que nós já fizemos com Roland Mouret, Victoria Beckham, até Calvin Klein. Realmente varia de temporada para temporada, mas silhuetas clássicas, geralmente, para ela. Algumas vezes procuramos ícones vintage.

Olhamos para a Princesa Margaret dos anos cinquenta, Windsors dos anos trinta, apenas para ter inspirações nas jóias e texturas. Com Elizabeth, nós estamos experimentando usar tecidos embelezados esta temporada; rendas porque está na moda, e estampas, e nós mantemos sua palheta similar – branco e preto com prata e dourado, então é algo que a destaca, sua silhueta, com qualquer cor.

WWD: E o guarda-roupa da Princesa Eleanor?

Mark: Eu acho que as pessoas me procuram mais sobre o estilo de Eleanor. Para ela, queríamos que fosse futurístico, e a melhor coisa sobre o nosso show é que temos costureiras incríveis. Então podemos dizer, “Vamos inventar nossas próprias peças. Não vamos buscar muito por designers, e fazer tê-la seu próprio look de peças originais, obviamente mais barato. E claramente temos uma relação com designers, nós saímos e decidimos coisas, mas com ela, fazemos muitas das coisas. Eu acho que é tudo influência do rock’n’roll.

Eu queria que ela tivesse um pouco de roupas fetiche, um pouco de couro ou latex, ou lingerie, porque ela é essa princesa rebelde. Ela possui um personagem mais provocativo, então pensei, “Bem, vamos fazê-la ter algo à mais,” que fosse uma saia ou botas badass, apenas para incrementar. Nós podemos brincar com isso quando queremos que seu personagem pareça mais vulnerável – nós a fazemos um pouco mais bonita, sabe? E ela é incrível, fácil de vestir e tem aquela de “o que você quiser,” o que é ótimo para começar.

Rachel: Com a Alex é óbvio que seu personagem é muito mais contemporâneo, então nós tendemos a misturar o vintage com design futurístico. Hoje ela está usando uma jaqueta Saint Laurent, mas talvez compremos uma blusa vintage em alguma rua. Nós usamos Topshop, Maje, Sandro, Vivienne Westwood, McQueen, Gareth Pugh. Então tentamos usar designers mas misturando, então o público ainda consegue se relacionar ao seu estilo porque você pode encontrá-lo nas ruas. Ainda sobre o vintage, muitas jóias. Eu tenho um par de shorts incríveis dos anos 70 que ela estará usando no próximo episódio, pequeno shorts de couro.

WWD: Pode nos dizer um pouco sobre o guarda-roupa do Príncipe Liam?

Rachel: William é equivalente ao Príncipe Harry, eu acredito. Eu tento mantê-lo arrumado e bem resolvido, de modo que as roupas não se destacam mais que seu personagem. Ele usa Reiss, John Varvatos, Gieves & Hawkes, AllSaints. Nós misturamos tudo. É um high street contemporâneo, como Kooples, com um toque muito clássico de Savile Row.

Mark: Foi Tom Ford. Eu queria que ele tivesse um look limpo, cores tradicionais, e eu acho que a versão high-street seria Theory e Reiss – azuis e cinzas e brancos e linhas claras. Mas para ele, a versão era Tom Ford.

WWD: E Cyrus?

Mark: Para Jake, é muito de Vivienne Westfood e Chrstian Louboutins porque eles são grandiosos e desafiadores. Cyrus é desafiador, então nós sempre dizemos, “Vamos pensar desta forma.” Ele sempre terá um pouco de estilo, barulhento, e eu amo o fato de não haver regras com este personagem, o que for desafiador, barulhento, nós podemos fazer.

Rachel: Cyrus é um dos personagens mais divertidos de se vestir. Novamente, muitos designers diferentes como McQueen, Westwood. Alguns de seus ternos estão sendo feitos por Saivle Row, e novamente vintage para seus botões, e nós compramos muito Victoriano, Edwardiano. Procuramos por jóias também. Vemos fotografias e pinturas antigas da família Real e tentamos trazer isso porque muitas das peças que ele usa são originais. Portanto, é amplo.

WWD: Há alguma história engraçada de quando vocês estavam resolvendo os figurinos?

Rachel: Nós sempre temos problemas com o figurino. Ano passado, nós tínhamos um vestido Berardi, no qual Elizabeth estava usando, e quando ela se curvou, o zíper abriu. Literalmente seu vestido caiu, e nós tivemos que reparar urgentemente no set. Joan é sempre fabulosa de se vestir, seu guarda-roupa é divertido porque ela possui uma coleção de roupas em sua casa dos anos 50, e ela é incrível porque permite que você dê uma olhada em todos os figurinos da época e se inspirar na era da Dinastia, no qual nós tentamos imitar porque, com ela, eu literalmente fico, “Eu apenas quero que você pareça como na época da Dinastia,’ mas para esse público contemporâneo. Nós assistimos muito no Youtube e estávamos como, “Este é um ótimo look,” as cores e tecidos. Tentamos empoderar mulheres, elas são personagens fortes.

WWD: Vocês tem algum figurino favorito?

Elizabeth: Bem, sim, meu personagem tem as limitações de ser a Rainha da Inglaterra, e sendo uma perfeccionista, e querendo manter a imagem que ela escolheu, Helena quer ser lisa. Ela quer estar na moda, mas digna. Não há muito seio, não há pernas. É muito digna. Obviamente, Eleanor é exatamente o oposto – ela quer ser fabulosa. A teoria é que nós somos a família mais poderosa e rica do mundo, nós podemos usar qualquer coisa que quisermos. Assim, nossos diamantes são grandes, sapatos altos. Mesmo que as roupas sejam Reais, são caras.

Alexandra: Eu acho que com Eleanor tornou-se muito de sua expressão, de como ela está se sentindo naquele dia, e muito do que está acontecendo em sua vida ou relações. Mas algumas vezes ela irá pôr esforço, como aquele vestido vermelho Valentino e a jaqueta Saint Laurent. E eu amo isso, quando ela tenta.

WWD: Se você fosse tomar conta de um país na vida real, como o faria, e há alguma regra que você iria impor?

Elizabeth: Eu iria banir as toucas. Eu não gosto de toucas. Eu acho que elas são as coisas mais não-atrativas. Eu não gosto delas. Elas os fazem parecer smurfys. Talvez eu bana chinelos na cidade – Eu não gosto de ver os pés das pessoas – e eu baniria chinelos num avião. E eu baniria qualquer sinal de pelos na axila de homens num avião. Eu acho nojento quando vejo – Me desculpem, normalmente eles são Australianos. Pernas peludas, pés peludos, cabelos enormes. É como, tire isso. Eu realmente não gosto de pelos nas axilas. Eles tem que ir.

WWD: Podem nos dizer um pouco da moda na nova temporada?

Mark: Assim como as motivações e temperamentos de um personagem mudam, nós ajustamos seus figurinos. Cyrus estava lidando com câncer, então nós começamos a vesti-lo em cores mais escuras, porque ele estava mais depressivo, mais triste, e ele não estava cheio de si. Eu disse, “Bem, ele provavelmente não estaria se sentindo cheio de si, porque internamente ele não estava.” Eleanor, quando ela está em um bom lugar romanticamente, ela tende a usar roupas mais suaves. Nós a temos em mais vestidos, oposto a quando ela está lutando com um homem ou o mundo e tende a ficar mais ‘rebelde’.

A Rainha teve palhetas de cores diferentes. Eu acho que esse ano, mais preto e branco, clássico Chanel – vamos apenas fazer estas cores porque o show é sobre heróis e vilões e ela têm sido ambos, então eu estava como, “Nós deveríamos fazer ambos com ela.” Ela estava em cores vibrantes antes, mas essa temporada nós iremos ajustar isso um pouco. Ela está se tornando essa presença forte na família. Costumava ser mais vilã, mas agora é mais humana. Mas ela perdeu seu marido, seu filho – ou ela acha – e perdeu muito de sua vida. Então nós tiramos as cores vibrantes por um tempo e nós as colocaremos de volta quando ela estiver inspirada.

Rachel: Nós tentamos manter um pouco da primavera de 2015, então muito tons coral estarão em Elizabeth. Sua palheta será pálida com preto e branco, cinzas e corais. Definitivamente. Nós observamos muito de pregas, então estaremos incorporando-as nesta temporada. Muito de Issey Miyake – texturas arquitetônicas. Nós estaremos usando muita renda. Para os meninos, nós estamos tentando usar mais sartorial e cores limpas, afastando-se do corte clássico, quase como os anos 60 para ternos e calças, o que é meio tendência nesta estação, e muito pastel.

Há muito desta cor para as mulheres, o que é difícil de trabalhar no set, mas nós estamos tentando usar hortelã e abacate. Então quando fizemos, para uma festa no jardim em breve, ao invés de tons frescos e ácidos como na temporada anterior, nós iremos para tons pastel. Nós estamos a par das tendências da estação, mas tentamos não sermos dominados porque não é sempre propício para o que estamos fazendo. Mas certamente certificar-se que estamos no caminho porque muitas pessoas assistem ao show pela moda, então precisamos fazer correto.

WWD: Vocês buscam inspiração na verdadeira realeza Britânica?

Rachel: Nós estamos conscientes de Kate, Catherine, que são um ar fresco para a família real, porque elas misturam seus guardas-roupas com high street e retrabalham as coisas. Então nós a observamos para personagens mais jovens. Há alguns personagens novos que nós fizemos storyboards com Kate, especialmente após a turnê que ela fez. Nós estávamos como, “Ela está usando roupas incríveis e algumas delas são high street.” Ela usa Reiss e L.K Bennett, que nós usamos. Para William e Harry nós sempre olhamos para suas adaptações, e obviamente, o que a Rainha está usando, para as cores. Certamente quando fazemos episódios cerimoniais, pesquisamos muito e baixamos muitas fotos para ter certeza que estamos no caminho certo, porque você não pode errar. O modo como as coisas são vestidas é importante. Uma série de pesquisas está envolvida.

WWD: Houve feedback da família Real sobre o show? Você sabe se eles já assistiram?

Mark: Quando eu fiz ‘One Tree Hill’ – que foi meu seriado anterior à este, alguém me encontrou e disse que Will e Kate amavam o show, e se eu poderia conseguir alguns DVDs. O que foi realmente incrível. Eu não ouvi nada sobre esta série. Eu espero que eles vejam como entretenimento, o que é para ser. Nós somos fictícios, não é para ser derivado ou zombação. Eu considero Londres a minha segunda casa, e eu espero que as pessoas amem. Não é para todos, mas eu sempre digo isso: O impeto por trás do show nunca foi atirar pedras na família Real, nunca foi para zombar da monarquia. Nossos episódios algumas vezes são tãos prós como cons, mas é tão ficcional. Eu não quero dizer que estou fazendo o que Shakespeare fez com a imaginação, mas ele estava dizendo histórias ficcionais também, e foi difícil para as pessoas aceitarem no começo – talvez porquê estávamos no E! e eles nunca fizeram uma série com script.

Algumas pessoas estavam aparecendo esperando uma biografia. Um monte de imprensa no início perguntou aonde a família se encaixava na monarquia Britânica? Eu disse que não se encaixavam; é uma coisa própria. Eu digo que é uma Londres contemporânea, é Londres, mas é fictício. Enquanto eu estava inspirado pelo fato de que muitos Americanos são obcecados pela família Real e tudo mais, você sabe, Harry estava nas capas das revistas, o que me inspirou foi o interesse na área. Não era a verdadeira família.

Fonte: WWD